2ª VIAconta água
Home do Site SAAE Pedreira

Setor Operacional

(19) 3853-3105

(19) 3852-3508

Setor Administrativo

(19) 3852-4653

(19) 3852-4654

Resumo

Atualização do Portal

20/08/19 23:00h

NOTÍCIAS & OBRAS

E.T.A. - Estação de Tratamento de Água

terça, 28 de janeiro de 2014

Não podemos produzir águas em indústrias, ou seja, fabricar esse elemento natural.
A água existente no planeta, segue seu ciclo, o que chamamos de ciclo da água. A água pode se purificar, mudar de lugar por meio de chuvas, transpiração das plantas e evaporação, porém a quantidade sempre será a mesma.
Partindo desse principio, sabemos que se não temos como “criar”, então devemos consumir de maneira consciente e correta.
Não podemos esquecer que a água faz parte do nosso dia a dia, do nosso corpo e praticamente de tudo que fazermos, como para beber, cozinhar, tomar banho, nadar, para produzir alimentos, gerar energia, fabricar produtos e para o lazer.
Por isso vamos pensar muito bem antes de abrir a torneira.

Algumas dicas são?

Limpe os restos de alimentos dos pratos, talheres e panelas, ensaboe tudo para depois enxaguar;
Feche a torneira para escovar os dentes ou fazer a barba;
Não tome banhos longos, feche o chuveiro enquanto se ensaboa;
Regue as plantas pela manhã ou no final da tarde, assim você evita a evaporação em excesso e garante um aproveitamento maior pelas plantas, se possível no jardim use um regador;
Adote a coleta seletiva;
Não polua nossos rios e córregos;
Plante árvores, principalmente nas margens para garantir uma maior disponibilidade de água e proteção de nossos corpos d’água;
Verifique vazamentos;
Não use a mangueira para lavar as calçadas;
Cubra as piscinas;
Não utilize a mangueira para lavar carros, ao invés disto utilize baldes.

Dicas para as Indústrias

Desligue os fornecimentos de água quando não estiver em uso;
Elimine vazamentos;
Ofereça treinamentos e instruções claras para seus colaboradores;
Utilize alternativas para refrigeração onde for apropriado;
Mapeie o sistema de água e esgoto;
Adote o reuso industrial para caldeiras e sistemas de refrigeração;
Utilize sempre que possível, a água da chuva, para regar jardim ou lavar o pátio.

Fases do Tratamento de Água

Não podemos produzir águas em indústrias, ou seja, fabricar esse elemento natural.
A água existente no planeta, segue seu ciclo, o que chamamos de ciclo da água. A água pode se purificar, mudar de lugar por meio de chuvas, transpiração das plantas e evaporação, porém a quantidade sempre será a mesma.
Partindo desse principio, sabemos que se não temos como “criar”, então devemos consumir de maneira consciente e correta.
Não podemos esquecer que a água faz parte do nosso dia a dia, do nosso corpo e praticamente de tudo que fazermos, como para beber, cozinhar, tomar banho, nadar, para produzir alimentos, gerar energia, fabricar produtos e para o lazer.
Por isso vamos pensar muito bem antes de abrir a torneira.

/

QUAIS SÃO AS FASES DE TRATAMENTO DA ÁGUA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE NOSSA CIDADE?

PRIMEIRO, necessitamos com o auxilio de bombas captar a água diretamente do rio jaguari, e por adução enviar esta água para Caixa d’água, como chamamos a nossa E.T.A – Estação de Tratamento de Água. Quando essa água chega na Estação, ela Chega BRUTA, o que podemos dizer IMPURA, com matéria orgânica e microorganismos.

A SEGUNDA fase, já na Estação de Tratamento de Água, nessa água bruta é adicionado dois produtos. A CAL e o SULFATO DE ALUMÍNIO, os quais corrigem o pH e propicia assim a formação de “núcleos”, ou seja, micropartículas que serão agrupadas na etapa seguinte.

A TERCEIRA fase é o que chamamos de FLOCULAÇÃO, onde esses “núcleos”, micropartículas durante movimento contínuo e suave dos
floculadores (pás que giram), se unem aumentando de tamanho. Essas micropartículas, são impurezas presentes na água, e assim, formam partículas maiores o que chamamos de FLOCOS.

A QUARTA fase é a DECANTAÇÃO. Os decantadores, são grandes tanques onde esses flocos formados no floculadores, terão tempo, para se decantar, ou seja, ir para o fundo do tanque , e ficarem depositadas por lá devido ao seu peso. Podemos dizer que nesta fase do tratamento, a água já está quase que totalmente limpa.

A QUINTA fase é a FILTRAÇÃO, onde a água passa por enormes filtros, contendo areia, e um leito de pedras, e as sujeiras que restou da fase de decantação ficará retida neste filtro. Assim, após passar por estas fases, a água já está limpa, porém temos que garantir que nenhuma bactéria ou vírus que tenha passado por estas fases cheguem em nossas casas, assim a água ainda passará por mais duas fases.

A SEXTA fase é a DESINFECÇÃO, ou seja, adição de CLORO, um elemento químico capaz de matar todas as bactérias ou vírus presente na
água, garantindo uma água limpa e potável, pronto para ser utilizada pela população.

A SETIMA fase é a FLUORETAÇÃO, que é a adição de outro elemento químico chamado de FLÚOR. Esse elemento é essencial para quando escovamos os dentes. Esse elemento protege os dentes contra as cáries e é útil para a saúde dos adultos. Durante todas as fases a água que está na estação é analisada em nossos laboratórios e também em laboratórios contratados, assim podemos dizer com certeza que a água que é distribuída está “POTÁVEL” para o consumo humano.

Assim, a água está pronta para ser distribuída para toda a população para usufruir de maneira consciente e sempre protegendo o Meio Ambiente. Temos que lembrar também, que durante todo o processo, necessitamos de pessoas capacitadas para tratar nossas águas, além de utilizar muita energia e produtos químicos, quanto mais água tratamos mais produtos, energia e mão de obra é utilizada, portanto, se economizarmos água em nossas casas, estaremos evitando que mais água seja retirada de nosso rio, estaremos economizando a energia e produtos químicos da ETA, protegendo cada vez mais nosso Planeta.


TARIFAS PRATICADAS

Para a tarifação da água e esgoto de um Município, os valores seguem Orientações dos Decretos em vigência no ano. Para os valores apresentados na tabela abaixo, é seguido o Decreto Municipal n° 1994 de 30 de Agosto de 2011, e a Lei 2.476 de 08 de Abril de 2005 a qual estipula o valor do esgoto a 80 % do consumo da água.
Esse valor de 80% do Esgoto é cobrado, pois o Município capta o esgoto urbano, porém o lança in-natura no Rio, o que faz com que o Município pague por Kg/ DBO (Demanda Bioquímica de Oxigênio) lançada no Rio para a Agência das Águas.

/

Exemplo: se você gastou no mês até 15m³ (Residencial), então você deve calcular da seguinte forma:
15 x 1,1854 = 17,78
80% de 17,78 = 14,22
17,78 (água) + 14,22 (esgoto) = R$ 32,00
Portanto você terá como tarifa no mês vigente R$ 32,00.

Agora , se você passou da tarifa mínima de 15 m³ (Residencial), você deve fazer a conta com os M³ utilizados, por exemplo:
foi utilizado no mês - 28 m³
28 x 1,86 (tarifa na faixa de 26 a 40 ) = 52,08
80% de 52,08 = 41,66
52,08 (água) + 41,66 (esgoto) = R$ 93,74
Portanto você terá como tarifa no mês vigente R$ 93,74..

Até o mínimo, não importa o valor, será cobrado sempre o valor de 15m³ X o valor da classe + 80% do Esgoto.

A partir do mínimo de cada classe, o usuário deve utilizar para o cálculo, o metro cúbico consumido X a tarifa deste consumo + 80% do total considerando o esgoto.

Responsável pelas Informações, Andréia Ap. Boscolo.



Comente e participe:


 

 

DIGITE SEU E-MAIL E RECEBA NOVIDADES!
OK